Norueguesa The Chocolate Factory supera tempo de inatividade de máquinas ao substituir peças metálicas por impressas em 3D com material de alto desempenho da Stratasys

Norueguesa The Chocolate Factory supera tempo de inatividade de máquinas ao substituir peças metálicas por impressas em 3D com material de alto desempenho da Stratasys

Minneapolis, Minnesota (EUA) e Rehovot (Israel) – A Stratasys (Nasdaq:SSYS), líder  global em soluções de tecnologia aditiva aplicada, acaba de anunciar que o bureau de serviços 3D da empresa holandesa Visual First está usando o termoplástico FDM Nylon 12CF, com fibra de carbono, para substituir peças metálicas de equipamentos de seu cliente: The Chocolate Factory.

Devido a sua capacidade de produzir peças de reposição de máquinas com impressão 3D on demand, a Visual First reduziu significativamente o tempo de inatividade das máquinas, garantindo a continuidade da linha de produção da The Chocolate Factory.

Com base em Roterdã, na Holanda, a The Chocolate Factory opera uma rede de equipamentos de embalagem, da qual depende seu rendimento diário e o bom funcionamento da empresa, e que pode ser afetada por problemas em uma peça metálica simples, porém crucial, em forma de gancho, que eleva as barras envolvidas em uma correia transportadora.

Norueguesa The Chocolate Factory supera tempo de inatividade de máquinas ao substituir peças metálicas por impressas em 3D com material de alto desempenho da Stratasys 1

O problema é que esta peça metálica apresenta defeitos regulares, pelo menos três vezes por mês, e, antes da manufatura aditiva, cada peça de reposição era feita à mão e a entrega demorava mais de um mês.

“É crucial que o equipamento de embalar esteja sempre operacional, especialmente durante períodos agitados, como o Natal.

Com a manufatura aditiva da Stratasys, podemos produzir peças sobressalentes customizadas, sob demanda, que podem ser executadas tão eficazmente quanto às metálicas da máquina.

Ou seja, podemos fabricar e entregar peças de produção para The Chocolate Factory em menos de uma semana, o que é vital para garantir a continuidade de sua linha de fabricação”, explica Carl van de Rijzen, empresário da Visual First.

Peças impressas em 3D com termoplástico composto com fibra de carbono, fortes o suficiente para substituir as metálicas

Van de Rijzen usa o FDM Nylon 12CF, termoplástico composto da Stratasys com 35% de fibra de carbono – um material de alto desempenho na impressora 3D Stratasys Fortus 450mc Production, para produzir as peças de reposição dos equipamentos da The Chocolate Factory.

Segundo o executivo, a equipe da The Chocolate Factory está impressionada com a alta relação dureza x peso do material Stratasys FDM Nylon 12CF, que resulta em peças de extrema rigidez.

“O sucesso da peça impressa em 3D foi instantâneo, pois o material é impossível de dobrar. Ela resistiu a todos os testes na máquina e vários turnos foram concluídos sem incidentes.

A fábrica agora está desfrutando de um aumento do rendimento da produção, propiciado pela substituição da peça de metal da máquina pela nossa versão impressa em 3D”, reforça van de Rijzen.

Antes, a constante intervenção humana fazia com que a funcionalidade da peça metálica fosse afetada e a máquina era frequentemente danificada.

“Agora, com a capacidade de otimizar o design da peça com a Stratasys Fortus 450mc, isto melhorou porque a peça é muito mais leve do que sua contrapartida metálica.

A The Chocolate Factory também está desfrutando de benefícios econômicos expressivos, pois sua equipe relatou uma redução de 60% dos custos por peça”, continua van de Rijzen.

Depois do sucesso da substituição da peça metálica pela impressa em 3D, a The Chocolate Factory está agora contando com a Visual First para resolver outros desafios de design, principalmente para desenvolver um protótipo de molde de vazamento a fim de testar a aceitação de seus produtos.

Tradicionalmente, este molde é feito de plástico, que é tanto demorado, quanto caro. “Com moldes impressos em 3D na Stratasys Fortus 450mc, a The Chocolate Factory poderá acelerar ainda mais seus processos de produção”, diz van de Rijzen.

Para Nadav Sella, chefe da unidade de negócios “Emerging Solutions” da Stratasys, a empresa está testemunhando o crescimento da demanda por peças de produção e de reposição impressas em 3D para equipamentos industriais, especialmente para máquinas de embalagem.

“Essas máquinas exigem um alto nível de customização devido à grande variedade de produtos que são embalados. Em muitos casos, o uso da manufatura aditiva pode não só economizar tempo e reduzir custos durante a fabricação destes equipamentos, mas também pode torná-los mais eficientes, diminuindo peso, simplificando o design e aumentando a funcionalidade”, ressalta Sella.

Compartilhe isso: