Manufatura Aditiva para motores de foguetes

Manufatura AditivaManufatura Aditiva

Manufatura aditiva para motores de foguetes

Profissionais da engenharia alemã acreditam que acabaram de encontrar uma solução perfeita para viabilizar microlançadores, foguetes de pequeno porte que são destinados a colocar satélites em órbita.

Esses satélites são conhecidos como nanossatélites ou cubesats.

Para que esses foguetes possam se tornar otimizados e mais baratos, pensando em custo é necessário aumentar sua eficiência, produzindo melhores motores.

Muller e seus colegas da Universiade Técnica de Desdres, projetaram um motor-foguete, com uma otimização incrível que pode consumir 30% menos de combustível do que os motores convencionais.

A proposta é que o microlançador impulsionado pelo novo motor consiga colocar em órbita cargas de até 350 quilogramas.

Motor aerospike – Manufatura Aditiva

O motor impresso é conhecido como aerospike, que mantém sua eficiência ao longe de muitas altitudes, através de um bocal especial para essa ação.

Esta nova versão consegue se adaptar melhor a pressões atmosféricas, na sua viagem da terra para órbita.

Deixando-a mais eficiente e consumindo menos combustível.

Essa otimização é obtida por desenhos complexos, foi necessário esperar o desenvolvimento da manufatura aditiva de metal, até que essa técnica permitisse construir um motor com todas essas complexidades de sua geometria.

O projeto original é de 1960.

Motor de foguete impresso

O que deixa esse motor sendo um diferencial dentro os projetos, são os seus canais de resfriamento que tem um diâmetro milimétrico, que contorna toda a câmara de combustão.

O Metal precisa suportar condições rigorosas, permanecendo sólido em altas temperaturas e conduzindo bem o calor para garantir um resfriamento adequado.

“As temperaturas na câmara de combustão alcançam vários milhares de graus Celsius, então isso requer um resfriamento ativo,” destacou Müller.

Os testes iniciais foram realizados em bancadas, com queimas de 30 segundos, foram realizadas com sucesso.

Agora a equipe do projeto está analisando em detalhes o motor para buscar eventuais defeitos, antes de realizar novos testes mais extensivos, e em breve novos testes de voo serão realizados.

Veja também:

Impressão 3D no setor ferroviário – Reduzindo a estocagem de peças

Impressão 3D em Metal: Revolucionando a Forma da Manufatura Aditiva